quarta-feira, 9 de novembro de 2022

Filho do Perdão

 Filho do Perdão 

Marcos Lima / Gerson Amaro 


Hoje volto ao passado 

Pra outra história eu contar 

De um erro muito grave 

Um causo pra lamentar

Mas o mundo dá sua volta 

E o perdão vem consertar

Mesmo começando triste

A maldade não resiste 

Antes de eu terminar 


Meu papai antigamente

Vivia num pessimismo 

Na Alemanha tão antiga 

Se vivia o fascismo

A guerra então deixou 

Todo este extremismo

Na viola hoje canto 

Mas meu sentimento é o pranto 

Por falar sobre o racismo 


No mundo somos iguais 

Sempre foi meu pensamento 

Mas meu papai no passado 

Tinha outro entendimento 

Quando um negro em nossa rua 

Lutava por seu sustento 

Meu papai então chingava 

E os cachorros atiçava 

Hoje canto esse lamento 


Mas então um certo dia 

O seu filho adoentou 

Um pobre recém nascido  

A doença o alcançou 

Sua mamãe, não tinha leite

E ele logo fraquejou 

Vivia no hospital 

Nem leite de animal

Esse pobre ajudou 


Mas então na vizinhança 

Uma pobre senhorinha

Tinha um filho pequeno 

Muito leite ela tinha 

Meu papai ficou sabendo 

E foi lá de tardezinha 

Uma negra lá morava  

E meu pai se preocupava 

Pois maltratava a negrinha 

 

O meu papai de joelhos 

A está negra implorou 

Por favor salve meu filho

Com o que Deus te enviou 

Eu te peço que perdoe

Meu papai então chorou 

E a senhora , disse então

Nem precisa de perdão 

E seu filho amamentou 


Termino essa história 

Mas não como começou 

Meu papai agradeceu 

E nunca mais ele errou 

Uma casa e um sitinho 

Pra mulher ele doou 

Essas rimas assim fiz

Terminou bem mais feliz   

E o seu filho aqui contou

terça-feira, 8 de novembro de 2022

Só mais uma ...

 Direitos iguais 

Gerson Amaro 


Um homem também diz já era

Também diz que acabou 

E quando decide que não quer mais 

E sinal que esfriou 


Um homem também sente falta 

A gente fala de amor 

Somos iguais na carência 

A gente então sente a mesma dor 


Direitos iguais 

Na sofrência e no prazer 

Somos normais  

Na distância e no querer 

Quem tá longe e é saudade 

Da lugar para outra verdade ....


Direitos iguais 

Na sofrência e prazer 

Somos normais 

Na distância e no querer 

A gente se iguala 

E queremos só a paz 

Se igualamos nos diferentes 

E na sofrência somos todos iguais

Mais uma

 Bipolar Gerson Amaro 


Tu não vale a estrela

Pelo meu espaço 

Tu não vale o coração

Que coloquei no meus contatos

Tu não vale a saudade

Que eu tô aqui  sentindo 

Mas eu queria um abraço e um beijo 

E te ver do meu lado sorrindo 


Sou todo confuso

Eu sou bipolar

Te amo e te odeio 

Por não te beijar 

Eu até te esqueço

Mas volto a lembrar 

E a culpa é sua 

Se a gente voltar 


Sou todo confuso 

Eu sou bipolar

Te amo e odeio 

Por não te beijar   

Eu até te esqueço 

Mas volto a lembrar

E a culpa é sua 


Se a gente voltar

sexta-feira, 4 de novembro de 2022

Mais uma

 Era o Girassol 

Gerson Amaro 


Hoje conheci a lenda 

Também conhecia a verdade 

Que sol era apaixonado 

Por uma flor e uma saudade 

A flor era o girassol 

Com toda sua humildade 

Sem saber desta paixão 

Vivia numa solidão

Mesmo em meio a quantidade 


Um dia então aconteceu 

O sol então se declarou 

A flor no meio de outras tantas 

Claro não acreditou

Existem muitos girassóis 

E ela então completou

Que o sol no céu, tem um somente 

Eu só tenho minhas sementes

E ele nunca reparou  


O sol então deu um sorriso 

E achou um pouco engraçado 

Pois só olhava para ela 

E ela não tinha notado

Existem muitos girassóis 

Claro não são igualados 

Mas um é uma é conexão 

É dona de meu coração  

E o sol está apaixonado 


E sei que o sol lá no céu 

Está sozinho e brilhando 

E o girassol está na terra 

Com outros lhe acompanhando 

Mas aos olhos deste sol 

Ainda estou te esperando 

Sei que o céu é o limite 

Mesmo que ainda não acredite 

Eu vou continuar te amando

segunda-feira, 31 de outubro de 2022

Mais uma

 Carrapato passa fome 

Gerson Amaro / Heber Martins 


Eu trabalho a vida inteira 

Levo a diante esse nome 

Vou vivendo a minha vida 

Sem viver a gente some 

Tem gente que não trabalha 

A preguiça o consome

Ditado faz eu pensar 

Se o boi não trabalhar 

Carrapato passa fome 


Quem vive as minhas custa 

Não suja o uniforme 

Eu levanto muito cedo 

Tem aquele que só dorme 

O desbronco acontece 

As vezes ele é enorme 

Ditado faz eu pensar 

Se o boi não trabalhar

Carrapato passa fome 


Não reclamo da minha vida 

Tudo vai pelos conforme 

Minha sina é o trabalho

Também é meu sobrenome 

Tenho tudo que eu quero 

Nunca fui um bunda mole 

Ditado faz eu pensar 

Se o boi não trabalhar 

Carrapato passa fome

terça-feira, 18 de outubro de 2022

Mais uma Raiz

 Claro que ainda escrevo, hoje me contaram essa história e claro virou rimas 


Formado na Labuta

Gerson Amaro 


Eu vim de família pobre 

Só Deus sabe onde andei 

Minha pele mais morena  

Muita coisa escutei 

O fato de eu ser da roça 

Muito espinho então passei

Sei que foi um sacrifício 

Mesmo que foi bem difícil 

Um doutor eu me formei 


Sou formado na labuta 

De tanto que trabalhei 

Me olharam diferente 

Eu juro que não olhei 

Minhas notas eram boas 

De tanto que estudei 

Eu vi diploma comprado 

Por muito peão frustrado

Mas o meu eu não comprei


Não reclamo na minha moda

Pois nunca eu reclamei 

Desejo só igualdade 

Pois no céu tem um só rei 

Na terra tem diferenças 

Todas elas eu passei 

O que conseguiu andando

Te explico aqui cantando  

Meu amigo eu voei


Agradeço o Divino 

Por tudo que me tornei

Minha Mãe Aparecida 

Sua casa eu visitei 

Levei lá o meu diploma 

Que num quadro coloquei 

Numa sala aclamada

De milagre tá lotada 

E foi lá que eu deixei